Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jam Sem Terra

(MAS COM AS RAÍZES DE SEMPRE)

Jam Sem Terra

(MAS COM AS RAÍZES DE SEMPRE)

Apaixonei-me

João-Afonso Machado, 01.04.24

AUGUST FRANCOTTE.JPG

Não há história romântica que não principie num acaso fatal. Em qualquer tropeção, no capricho das visões súbitas. Como nesse dia, nessa espingardaria, nessa compra de cartuchos, nesse mostruário onde ela resplandescia.

Foi, literalmente, tiro e queda. Um disparo que condenava ao ostracismo Franchi, a minha Franchi, de quem me separei, e determinava uma correria quase infantil atrás do que quer falasse da sua vida, do seu passado. Isto é a realidade neste mundo cão e implacável, e a despedida de Franchi foi, apesar de tudo, dolorosa.

Mas as pernas, os canos justapostos de Francotte, os seus dedos, os seus dois gatilhos, a franzina elegância calibre 20 de busto, - tudo parecia magnetes. Divorciada talvez há dois anos, mantivera o recato e assemelhava-se pela minha idade, um pouco mais nova talvez. Estava disponível, era linda, carnes rijas do melhor aço, sem celulites nem folgas, muito ágil no maneio e de conversa fácil no correr de mão e no shot.

E o seu nome... Francotte! O nome de algumas das maiores celebridades de Liège...

Incapaz de me conter, corri a vizinhança a saber dela. Enfim, fui indo, fui indo,  e cheguei longe, muito longe, sempre cruzando-me, e virando a cara, a congéneres suas, italianas, espanholas, francesas, que nenhuma lhe chegava aos calcanhares. Tornei à sua espingardaria, onde Francotte levianamente se deixou medir, apalpar, e logo aceitou o convite para saír comigo. Uma valente cotovelada no meu ombro, porém, foi o seu protesto contra pólvoras pesadas: à levezinha Francotte custava digerir mais de 24 gramas por cartucho e nada de comeres requentados, arrumados e esquecidos nos armários, causadores de intoxicações e rebentamentos e mãos esfaceladas.

Combinámos ambos o nosso modus vivendi. Francotte viria comigo, para minha casa. Obviamente dormiremos juntos, ela mantendo o hábito de permanecer debaixo da cama toda a noite. - Que é para melhor te valer - asseverou, enquanto eu me babava em promessas de perdizes, coelhos, galinholas e outros acepipes mais.

 

28 comentários

Comentar post