Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Jam Sem Terra

(MAS COM AS RAÍZES DE SEMPRE)

Jam Sem Terra

(MAS COM AS RAÍZES DE SEMPRE)

No topo da cidade

João-Afonso Machado, 23.03.24

IMG_8917.JPG

Por cá, também não faltam os altos e baixos. E o tempo mais as suas mossas... E os desvarios mundo fora, mais o regresso. Entretanto, os lugares esquecidos, antes habitados. A ideia distante das lavouras, dos bois e de alguns poisos de recreio dos lavradores. Imagens já se diluindo entre a vozearia...

Mas tudo permanecia nos vagos intervalos desse minúsculo momento que é a vida enquanto lá foi. No regresso à terra, consistiu num pequeno apartamento em urbanização de primeiro porte, com arvoredo, um parque todo e a ribeira povoada de fauna, um lugar à margem, fugaz lembrança das lavouras, ainda o paraíso dos cães... Pouco falta para dizer - caçava-se... O apartamento falava todas as línguas - o cacarejar das criancinhas na creche (de manhã, no recreio sob a janela do quarto único), até às tardes ensolaradas escritas na mesa redonda, vagarosas, com vista para as hortas do vizinho do rés-o-chão.

(O homem, cavava, cavava, a tomar posse do pequeno baldio. Eregia hortas. Mas as horas corriam sossegadas, não fosse a exiguidade do espaço jamais caladas.)

Passaram os anos. Com «os bigodes da alma a encanecerem-se» (assim escrevia Camilo em carta a um amigo). Ir lá acima foi quase uma peregrinação. O Sr. Fernando abriu os braços e disse já não cozinhava omoletas (mistas de fiambre e queijo, com batatas fritas, uma delícia). Mas, dadas as circunstâncias, ele também abriria uma excepção regada com o seu magnífico verde branco. Que reencontro! - Ó Sr. Dr., ó Sr. Dr.!... - Gente boa é outra gente!

Ali, no outrora chamado Largo da Cruz Velha, junto a um edifício que só preserva as suas pedras nas memórias mais rijas, em rua onde Famalicão já se despedia a caminho do Litoral. Mas a vila prosseguiu-se no casario e desse marco fronteiro restou uma fachada rasa que guarda ainda alguns azulejos, uma história ainda para ser. E por trás dela o prédio, o andarzinho, o quarto, cozinha e sala, tanta escrita; mais o ganir dos canitos, a horta do vizinho, quiçá uma sua estufa, hoje um negócio formidável com os hipermercados...

 

11 comentários

Comentar post